Censo Imobiliário mostra que a recuperação segue lenta em Pernambuco

A Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Pernambuco (Ademi-PE) recebeu os números do Censo Imobiliário 2018 para Recife e Região Metropolitana, compilados em parceria com o Bureau de Inteligência Corporativa – Brain. Os números mostram que o setor ainda não conseguiu retomar o crescimento refletidos na baixa quantidade de lançamentos e queda lenta dos estoques.

Em 2018 foram lançadas apenas 2700 unidades entre residenciais e comerciais contra os 4688 do ano anterior. Quando comparados com os números de 2014, indicado como o início da crise do setor, temos uma queda de mais de 83%, mostrando a retração do mercado. “Em 2014 nós lançamos 16 mil unidades. Isso em Valor Geral de Vendas (VGV) quer dizer uma queda de mais de 5 milhões para pouco mais de 700 mil”, comentou Fábio Tadeu, sócio da Brain. “Imagina o que significa isso em redução de emprego para um setor como o da Construção Civil em Pernambuco”, completou.

As vendas também não foram animadoras. No ano inteiro de 2018, foram vendidas apenas 3974 unidades. “A análise que fica é de que as vendas não foram tão ruins, mas os estoques ainda estão altos. Mas ainda existem oportunidades”, afirmou Fábio.

Segundo ele, a pesquisa traz dados que podem ajudar na hora de fazer a análise do empreendimento. “A gente sabe, por exemplo, que de 25 a 30% das pessoas querem comprar imóveis na planta porque, segundo elas, não conseguem pagar quando a obra se encontra em estágio avançado. Com poucos lançamentos, esses compradores não acham os produtos que querem”, explicou.

A pesquisa completa com dados do Censo estará disponível para associados.
Fonte: Aponte Comunicação

203